Sobre não ter corrido a São Silvestre

Assim como a maioria dos domingos, hoje foi dia de sair para correr e completar a planilha da semana. Gosto dos domingos! As ruas estão vazias, poucos carros na rua, poucas bicicletas e pouquíssimas pessoas correndo por aí.

Claro que por ser o último dia do ano o treino teve um sabor diferente então fiz um dos percursos que eu mais gosto e consegui manter o ritmo que eu gosto e me sinto bem treinando. Mas para ser mais especial ainda, para colocar aquela cereja no bolo o final do treino tinha que ter algo a mais então me organizei para terminar o mais próximo da av Brigadeiro Luis Antonio e assim foi.

Fiquei junto com uma galera animada no km 14, eles haviam se organizado para entregar cerveja aos participantes e mais ainda, estavam entregando uma animação ímpar para todos aqueles que subiam a tão “temida” Brigadeiro e estavam próximos ao fim da prova. Apesar de não ser adepto da cerveja no meio da corrida, foi muito legal ver como as pessoas se divertiam ao pegar os copos e em como cada um que estava servindo brindava e festejava a conquista do outro.

Foi muito divertido participar desse momento. Estender o braço e com uma batida na mão incentivar desconhecidos! Cada um ali tinha uma história, muitos já acostumados com a distância estavam em busca de recordes pessoais, outros estavam ali correndo por alguém (como um homem que tinha a imagem do pai na camiseta), cada um tinha um motivo especial e independente do tempo final todos terminaram sorrindo e felizes. Tive a alegria de ver alunos correndo, pude encontrar amigos de profissão e tive a sorte de fazer novos amigos, presentes da corrida que estão sempre “falando de corrida“. 😉

Esse tipo de coisa, só a corrida pode fazer.
E que venha 2018 com mais presentes assim!

 

Deixe uma resposta