O que você pensa enquanto corre

Essa é uma das coisas mais particulares da corrida. Nesses anos todos já ouvi diferentes relatos, uns engraçados e outros nem tanto, mas um tipo de pensamento que permeia a maioria das cabeças é sobre sentimentos.

Pode parecer meio contraditório para quem não corre imaginar que uma pessoa está lá, fazendo uma atividade extenuante, suando, e ainda consegue ficar pensando em outras coisas. Pois é amiguinho que não corre, é assim.

Cada tipo de corrida funciona de um jeito diferente para mim. Normalmente quando o treino é mais forte, quando são os famosos ‘tiros’ ou treino intervalado, costumo focar muito no treino e no resultado daquele treino. Fico fazendo um milhão de contas na cabeça enquanto coloco as pernas em esforço máximo.

Meu treino preferido são aqueles contínuos longos, de preferência acima de 2 horas. São nesses treinos que coloco muitas coisas no lugar, que organizo a mente, que lembro de várias coisas e tento fazer uma ‘autoanálise’ da vida. Durante esses treinos não sinto dor nas pernas, sinto um cansaço controlado pois o ritmo imposto é aquele possível para manter por mais tempo. Nesses treinos que dou risada sozinho, canto, assobio, reclamo e brigo comigo mesmo. E já aconteceu de chorar também.

Nesse tipo de treino que eu me descubro cada vez um pouquinho mais. Descubro o que meu corpo pode fazer, o que minha mente acredita que pode, descubro que para chegar em algum lugar só depende de mim. Ninguém ali pode fazer por mim, somente eu posso cumprir a minha meta e somente a mim ela trará os resultados esperados.

Treinar para uma maratona não é saudável ao ponto de ser para qualquer um, mas é algo único e o processo todo só me faz crescer e ser melhor como pessoa. Acredito mais em mim, trabalho com minha autoestima, fortaleço meu amor-próprio e sinto que a cada pequeno ciclo de treinos cumpridos estou mais forte e mais apto não só para o desafio mas para a vida.

Bons treinos.

Emidio Peres
Personal e Idealizador do Núcleo Salutem

 

Deixe uma resposta