Como a corrida me tirou da depressão

17759692_1313898495353480_168543729646889658_nMuitas pessoas me perguntam de onde vem tanta disposição para fazer tantas coisas ao mesmo tempo, afinal eu faço duas especializações ao mesmo tempo, treinei para correr uma maratona, trabalho no mínimo 10hs por dia e ainda tenho tempo para minha família e para fazer coisas de que gosto. Talvez olhando de fora pareça que sempre foi tudo bem e que essas coisas são consequência das escolhas do dia a dia, mas nem sempre foi assim.
Primeiro eu gostaria de deixar claro duas coisas bem simples, depressão não é frescura e nem doença da moda, e meu objetivo com esse texto não é chamar atenção para mim e sim mostrar para alguém que pode estar passando por isso que você não está sozinho e que essa fase tem solução.
Sim, tive depressão.
No início foi difícil para mim entender que estava com esse problema porque diferente de uma gripe por exemplo, que dá sintomas, você passa pela fase crítica e com tratamento ela vai embora, a depressão não vem do dia para a noite. São várias coisas que se somando chegam a um ponto alto ou não, infelizmente eu cheguei ao ponto alto.
Você não se sente adequado, não sente vontade de coisas simples, não consegue entender como ações simples de outras pessoas que você poderia ignorar acabam te fazendo tão mal, mas tão mal a ponto de você não valorizar a vida. É incrível a quantidade de besteiras que passam pela cabeça nas piores crises. É assustador na verdade.
Uma vez assisti um vídeo e ele faz uma comparação muito interessante da doença com um cachorro preto. Ele estava ali, aparecia do nada e me fazia ver as coisas por ele. Não tinha vontade de nada, não tinha sentimentos, não tinha fome. É curioso como nesse ponto me atingiu muito, cheguei a pesar 62 kg, diferente dos meus 71kg habituais, mas no processo de tentar me corrigir cheguei aos 79kg também. Uma oscilação muito grande e difícil de lidar.
Existia também um medo grande de ser “descoberto”, o que as pessoas pensariam se soubessem que estou assim? Será que continuaria com meus alunos? Era difícil e eu não aceitava essa condição. Para mim parecia uma coisa muito distante, não era palpável, logo, eu não tinha. Quando parei de negar e entendi que precisava trabalhar isso, foi muito mais fácil.
Não fiz nada sozinho, tive ajuda de profissionais nesse caminho. Minha terapeuta sempre me incentivou e me trouxe a luz em diversos momentos com palavras simples, mas com grande poder: vontade, confiança, amor próprio. O trabalho com terapia, medicação e exercício foi fundamental para eu estar bem.
Como a corrida me ajudou? Na corrida não preciso de ninguém, tanto faz se eu estou saindo para correr 10 minutos ou para correr 2 horas. Estou indo por mim mesmo e não dependo de ninguém do meu lado para fazer, preciso apenas me vencer, superar os obstáculos dentro de mim e começar. Desde o ano passado eu tracei metas a curto, médio e longo prazo, acredito que para melhores resultados e para me manter motivado eu precisava disso.
Sendo assim decidi correr a maratona de SP, prova essa que eu sempre quis fazer. Amo essa cidade, essa loucura cheia de defeitos, mas com tantas qualidades que é impossível fazer uma lista completa. E assim foi, treinei, treinei, treinei, acordei tantas e tantas vezes de madrugada aos domingos para fazer meus treinos. Encaixei treinos durante a semana entre minhas aulas, ao final do dia, no comecinho, mas não deixei de me preparar. Deixei de ir a festas, aniversários, recusei baladas e me dediquei para treinar e concluir os 42kms da melhor forma possível.
No último domingo concluí o objetivo maior, o primeiro do ano. Próximo da chegada foi impossível conter as lágrimas, mas ao mesmo tempo sorrir por ter chego ali. Só eu sei a quantidade de coisas que passei, as dificuldades, as dores, as perdas, a superação e em como provei para mim mesmo que sou capaz de vencer e de transpor mais essa barreira. Não havia ninguém na chegada me esperando, eu não tinha uma torcida para mim, não corri por alguém, corri para estar bem para mim, corri pelo Emidio.
Não sei se terei recaídas em algum momento, mas sei de uma coisa, o cachorro preto está numa coleira onde eu mando nele, eu tenho controle sobre ele e a partir do momento em que aceitei isso, tudo foi mais fácil. A corrida e ter objetivos vieram para me ajudar. Ela pode ajudar você também.
Termino esse texto com a esperança de ter ajudado alguém. Que uma pessoa que esteja passando por um mal momento leia e saiba que existe solução. E espero que se você não for essa pessoa mas conheça alguém assim, que você fique ao lado dela. Sem julgamentos, sem críticas, mas apoiando e trazendo ela para a luz.
Bons treinos amiguinhos.
Por Emidio Peres

One comment

Deixe uma resposta